Campanha da Serasa para quitar dívidas encerra terça-feira

Com R$ 100, consumidor pode limpar o nome e quitar dívidas de até R$ 1000 pelo feirão “Limpa Nome Serasa” até dia 08 de setembro. Feirão oferece até 98% de desconto na renegociação de dívidas e tira o nome do devedor da lista de restrições. Interessados em aderir à campanha da Serasa têm até o dia 08 de setembro para participar.

A campanha é valida para dívidas que vão de R$ 200 a R$ 1.000, e com a renegociação elas podem ser quitadas por apenas R$ 100. Ao todo, são 21 empresas com as quais os clientes podem quitar seus débitos através do feirão:

  • Avon;
  • Algar;
  • Anhanguera;
  • Ativos;
  • Calcard;
  • Casas Bahia;
  • Credsystem;
  • Hoepers;
  • Itapeva;
  • Iuni;
  • Pernambucanas;
  • Pitagoras;
  • Ponto Frio;
  • Recovery;
  • Tricard;
  • Uniderp;
  • Unime;
  • Unique;
  • Unirondon;
  • Unopar;
Limpa Nome Serasa

A campanha foi estendida no final de agosto, quando mais de dois milhões de débitos já tinham sido realizados. Até a próxima terça-feira, a expectativa da Serasa é que 25 milhões de dívidas sejam quitadas através do feirão.

Para consultar as condições de negociação e aderir à campanha, o consumidor deve acessar o site do “Serasa Limpa Nome” ou baixar o aplicativo da Serasa, que está disponível para Android e iOS.

Ao acessar o site ou aplicativo, é só digitar o número do CPF para consultar sua situação e preencher um breve cadastro.

Por conta da pandemia de Covid-19, as agências da Serasa seguem fechadas para atendimento pessoal. Mas além do site e do aplicativo, o consumidor interessado em quitar suas dívidas também pode fazer sua renegociação pelo Whatsapp, através do número (11) 98870-7025. As condições de renegociação são as mesmas em qualquer um dos canais.

Leia também

Somente dívidas com empresas parceiras do Serasa Limpa Nome podem ser renegociadas através da campanha. Pelas condições do feirão, os débitos podem ser referentes a negativações ou contas atrasadas que ainda não foram negativadas no cadastro de inadimplentes da Serasa. Protestos, cheques sem fundos e falências não estão inclusos.

Sobre as condições de pagamento, elas são fornecidas diretamente pelas empresas com as quais os clientes têm dívidas. Em caso de dúvidas, a Serasa recomenda entrar em contato com a empresa por um dos seus canais de atendimento.

Após o pagamento da dívida, ela pode sair do nome do consumidor em um prazo de até cinco dias úteis. Se após esse período a dívida continuar ativa no CPF, o cliente deve contatar a empresa com a qual negociou.

Vale a pena quitar dívidas durante a crise?

Segundo alguns educadores financeiros, é importante avaliar suas prioridades antes de aderir ao feirão.  Isso porque em um momento de grave, débitos por inadimplência talvez não sejam sua maior preocupação financeira.

Para o presidente da DSOP Educação Financeira Reinaldo Domingos, a prioridade em meio à pandemia é a sobrevivência. Gastos com alimentação, saúde e educação devem ser mais importantes do que a preocupação em limpar seu nome.

Além disso, é importante ter certeza de que vai ser possível arcar com o valor negociado. Nesse momento, a renegociação só é bem-vinda se couber no orçamento, pois juros por atraso podem piorar a situação.

Por isso, especialistas recomendam que os consumidores tenham um controle geral de seu orçamento. Assim é possível listar suas contas e saber quais são imprescindíveis, quais podem dar maior dor de cabeça e assim por diante.

Ideias para complementar a renda

Em caso de aperto no orçamento ou de necessidade de quitar dívidas específicas, complementos de renda pode ser uma salvação.

Mesmo que você tenha emprego formal, considere fazer uns “bicos” para ajudar no seu orçamento, se for o caso. Vender ou revender produtos no seu tempo livre, por exemplo, podem gerar um rendimento suficiente para pagar uma dívida que ficou para trás.

Se te faltam ideias confira os motivos para se tornar um revendedor e confira porque essa opção de venda de produtos de marcas que já existem pode ser a opção mais confiável de ganhos rápidos em momentos de crise.

Felipe Matozo
Estudante de Jornalismo no Centro Universitário Internacional Uninter e ator profissional licenciado pelo SATED/PR. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.

Deixe seu comentário