Pix permite que empresas reduzam custos em transações financeiras

Nesta terça-feira (3), o Banco Central iniciou a primeira etapa de operações do Pix, novo sistema de transferências instantâneas do BC. Mas a fase inicial é restrita a alguns clientes selecionados pelos bancos. As demais empresas e pessoas físicas cadastradas poderão usar o Pix somente a partir de 16 de novembro.

Por enquanto, o sistema que promete revolucionar a forma de fazer pagamentos no Brasil segue em fase de testes até o próximo dia 15. Após isso, o Pix passará a funcionar de forma integral para todos os clientes que se cadastraram, operando 24h por dia e 7 dias por semana.

Para as pessoas físicas e empresas que utilizarão o Pix, a ferramenta será uma boa oportunidade para reduzir custos do dia a dia.

pix empresas

O Pix é um canal de pagamentos que funciona como os boletos bancários, TEDs e DOCs, por exemplo. Mas o sistema tem o diferencial de permitir a realização de qualquer tipo de tipo pagamento e de transferência a qualquer momento, sem limitações de dias ou horários.

Além disso, as empresas cadastradas no Pix também têm direito a reduções de custos relacionados à comercialização de produtos. Isso porque o processo deixa de depender intermediários, como no caso das maquininhas de cartão, evitando tarifas extras para os comerciantes.

Enquanto isso, para clientes MEI e pessoas físicas as transações do PIX serão gratuitas, permitindo que os usuários façam transferências e realizem compras sem custos.

Preços e condições do Pix para empresas

Para fazer operações com o Pix em seu estabelecimento, a primeira coisa que o comerciante deve fazer é avaliar os preços e condições do serviço em seu banco. Os usuários do sistema devem ter conta-corrente, poupança ou de pagamento pré-paga.

Mas vale ressaltar que o Pix não está restrito a bancos, pois outras instituições financeiras e de pagamento, inclusive fintechs, podem ofertar o serviço. Entre as mais de 700 instituições autorizadas pelo BC a ofertarem o Pix a partir do próximo dia 16, muitas não são bancos. É possível conferir a lista completa de participantes aptos a oferecerem o sistema no site do Banco Central.

Para receberem pagamentos por meio do Pix, os comerciantes têm a opção de gerar um código QR e apresentá-lo ao cliente. De acordo com o BC, o código pode ser gerado apenas uma vez, ou então a cada nova transação. Essa decisão deve ficar a critério do recebedor.

Outra alternativa para o empreendedor é informar sua chave Pix ao comprador. Este código pode ser o número do seu CNPJ, endereço de e-mail, celular ou mesmo uma chave aleatória. Além disso, o comerciante também pode informar ao cliente os dados completos de sua conta, para que o pagador possa inseri-los manualmente.

Assim que a transação for concluída, o valor é encaminhado imediatamente para a conta. O recebimento deve ser confirmado com uma mensagem enviada em tempo real para o comerciante.

Todas as transações do Pix serão disponibilizadas no extrato da conta cadastrada no serviço, outro diferencial em relação às demais transações que facilita a vida das empresas usuárias do sistema.

Fase restrita permite testes práticos no sistema

Na chamada fase restrita, que iniciou nesta terça-feira e segue até 15 de novembro, dia anterior ao início regular das operações do Pix, os clientes pré-determinados pelos bancos podem realizar pagamentos por meio do sistema apenas em horários determinados.

Segundo a Febraban (Federação Brasileira de Bancos), as escolhas de usuários selecionados pelas instituições seguiram orientações do BC. A proposta era que fossem escolhidos usuários aptos a operar no sistema e que permitissem uma análise de seus clientes, sejam pessoas físicas ou jurídicas.

Vale frisar que no período de operação restrita todos os clientes já deverão estar aptos a receber um PIX mediante inserção manual ou chave PIX (desde que possuam chaves cadastradas), enquanto os clientes selecionados terão acesso à integralidade de funcionalidades do PIX”, ressaltou a Febraban.

Sendo assim, esta fase de testes permite apenas aos usuários selecionados pelos bancos o direito de fazer pagamentos, mas o recebimento de transferências fica disponível a qualquer pessoa que já tenha feito um cadastro de chave no Pix.

Os principais objetivos da fase restrita são verificar o funcionamento do sistema no ambiente de produção dos bancos, incluindo o BC, e testar todos as possibilidades de uso do Pix antes de lançá-lo integralmente.

Felipe Matozo
Estudante de Jornalismo no Centro Universitário Internacional Uninter e ator profissional licenciado pelo SATED/PR. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.

Deixe seu comentário