Mais de 600 instituições já estão habilitadas para o Pix

O número de instituições habilitadas pelo Banco Central para participar do Pix saltou de 11, valor registrado até a última quinta-feira (1º), para 677. Com isso, quase 700 bancos, fintechs e cooperativas tem aval para operar o novo sistema de pagamentos.

As instituições tinham até a última sexta-feira (2) para conseguir permissão para participar da fase inicial de cadastramento das chaves de usuários da ferramenta. Enquanto isso, os cadastros de chaves dos clientes interessados em aproveitar o sistema começou nesta segunda-feira (5).

Na última semana, diversas organizações iniciaram o processo de cadastro prévio, mas a efetivação inicia apenas na próxima segunda-feira. O início das operações do Pix, por sua vez, será a partir do dia 16 de novembro.

Pix

Entre os cinco maiores bancos que operam no Brasil, o primeiro a receber o aval do Banco Central foi o Bradesco, na quarta-feira (30). Banco do Brasil, Itaú e Santander receberam autorização para operar o Pix no dia seguinte, e a Caixa entrou na lista na última sexta-feira.

As cinco empresas já estavam trabalhando para atender às exigências do Banco Central, e também passavam por testes de estresse. Estes testes têm o objetivo de avaliar se as instituições estão preparadas para lidar com certo nível de pagamentos por segundo, e são fundamentais para garantir a eficácia e a segurança do sistema.

Uma das principais vantagens do Pix é o fato de que as transações serão gratuitas para MEI e pessoas físicas. Além disso, o sistema permitirá a realização de pagamentos e transferências bancárias via celular em poucos minutos, bastando apenas informar e-mail ou telefone.

VEJA TAMBÉM
Empreendedorismo dispara no Brasil como alternativa durante a crise

1º dia do Pix teve 3 milhões de cadastros: saiba como fazer o seu

Segundo dados parciais do Banco Central divulgados na última segunda-feira (5), o Pix teve três milhões de chaves registradas logo no primeiro dia em que o sistema para cadastros começou a funcionar.

O sistema é considerado um dos principais projetos de incentivo à competição entre instituições financeiras do Banco Central, e ficará disponível 24h e sete dias por semana. Por conta do Pix, estima-se que as tradicionais TED e DOC, mecanismos mais caros e demorados, devem entrar em processo de defasagem.

Mas nesta segunda-feira os aplicativos de alguns grandes bancos apresentaram instabilidade em seus funcionamentos. Ao ser questionado sobre este fato e a possibilidade de ele estar relacionado a alguma sobrecarga por conta do cadastramento de chaves, o Banco Central respondeu que já estava tudo normalizado.

Além disso, representantes do BC também afirmaram que não há data limite para realização do cadastramento.

Método de pagamento Pix

VEJA TAMBÉM
 Menos de 4% das pequenos empresas tiveram acesso ao Pronampe.

Como funciona as transferências Pix?

O Pix será usado para tornar possíveis pagamentos e transferências em tempo real. O sistema é similar a de outros países, e os grandes agentes financeiros são obrigados a aderi-lo. No entanto, o grupo de instituições participantes não se limitou aos grandes bancos, e diversas cooperativas, fintechs e financeiras foram atraídas pelo sistema.

As chaves de usuários funcionam como os endereços das contas Pix, uma espécie de apelido para identificá-las. O usuário tem a opção de cadastrar um número de telefone, e-mail, CPF, CNPJ ou então um EVP (sequência de 32 dígitos).

Para Leandro Vilain, diretor executivo de Inovação da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), o Pix é uma importante medida para estimular a redução da circulação de dinheiro em espécie no Brasil. Segundo o executivo, o sistema terá um custo de logística de R$ 10 bilhões por ano.

As organizações que não foram aprovadas até aqui têm até o dia 16 de novembro, data de início das operações do Pix, para cumprir as exigências da instituição. Caso contrário, elas poderão ser penalizadas. Conforme a Resolução BCB nº 1, publicada em agosto, o Banco Central prevê multa por dia de atraso quando o sistema entrar em operação.

Por meio de nota ao Broadcast/Estadão, o Banco Central afirmou estar conduzindo com êxito e dentro dos prazos fixados todos os testes necessários para garantir a operação com segurança do Pix. Ainda conforme o Banco Central, o processo de homologação deve ser concluído dentro da previsão estabelecida, e os participantes poderão oferecer o sistema aos clientes no prazo previsto.

Felipe Matozo
Estudante de Jornalismo no Centro Universitário Internacional Uninter e ator profissional licenciado pelo SATED/PR. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.

Deixe seu comentário