Buscas no Google indicam uma “Black Friday histórica” em 2020

Segundo dados obtidos pelo jornal O Estado de S. Paulo, indicadores do Google demonstram que a Black Friday 2020 deve ter procura bastante superior a do ano passado.

No período entre 26 de agosto e 22 de setembro, dois meses antes do evento, 19 das 29 macrocategorias do comércio analisadas pelo Google já tiveram movimento maior do que na Black Friday de 2019.

Segundo Gleidys Salvanha, diretora de negócios para o Varejo do Google Brasil, a alta nas buscas não está relacionada a compras antecipadas. Salvanha afirma que isto seria ruim para o evento, e na verdade os indícios destacados pelo Google apontam para um resultado histórico.

Black Friday 2020

Os setores que tiveram maior volume de buscas durante a data no ano passado, como o de móveis e decoração, têm procuras de 22% a 51% maiores atualmente. Além disso, segmentos que não costumam ter picos de buscas no período, como o de alimentação, estão entre 23% e 40% acima do verificado no ano passado.

O levantamento ainda destaca que alguns termos vêm atingindo recordes de busca nos últimos meses. Entre eles estão “cashback”, com aumento de 74%, e “cupom”, com 30% a mais de buscas este ano do que na Black Friday do ano passado.

Também é tendência no Google para o evento a busca por frete grátis. Segundo o buscador, em julho a procura pelo termo já estava 118% superior ao mesmo período de 2019. Além disso, a procura por “frete expresso”, para compras realizadas de última hora, também vem ganhando mais relevância.

Saiba mais

Para a Black Friday deste ano, uma das principais expectativas é sobre a evolução do e-commerce. O setor vem crescendo consideravelmente durante a pandemia no Brasil, registrando 1,21 bilhão de acessos em setembro e estabelecendo um novo patamar.

Com base na procura antecipada por preços baixos, a diretora do Google acredita que a data deve encontrar um consumidor mais cauteloso em 2020. Mas para ela a Black Friday deste ano não deve ser tanto sobre comprar com grandes desconto, e sim sobre fazer bons negócios.

A Black Friday 2020 acontece no dia 27 de novembro, e o Google irá oferecer aos varejistas brasileiros a oportunidade de exibirem seus produtos gratuitamente no Google Shopping.

Black Friday 2020 deve ser a mais digital da história

Além do Brasil, os Estados Unidos também testemunham o crescimento acelerado da adaptação do comércio ao ambiente digital por conta da pandemia.

Segundo uma pesquisa realizada pela Incisiv no país, a Black Friday deste ano deve ser a mais digital da história no país. A estimativa é que 80% dos compradores aumentem as compras online, sendo que 90% preferem a entrega em domicílio do que ir à loja.

Portanto, a expectativa é que os varejistas se planejem para atender a esta demanda com flexibilidade, principalmente em relação aos serviços de e-commerce.

Segundo a gerente de desenvolvimento de mercado da Manhattan Associates, Danielle Willig, as lojas que ainda estavam fora do ambiente digital não tiveram escolha: ou entraram ou deixaram de operar.

Além disso, os consumidores que tinham medo de fazer compras pela internet precisaram se adaptar por falta de opção. Para Willig, empresas do varejo e de serviços essenciais estão no ritmo da Black Friday desde que a pandemia começou.

No Brasil, a participação do e-commerce no setor varejista até o início de 2020 era de aproximadamente 6%. Durante a pandemia, o número dobrou, e agora equivale a aproximadamente 12%, segundo dados do índice MCC-ENET.

Relação entre cliente e vendedor

Outra constatação do estudo da Incisiv é de que os vendedores seguem sendo fontes importantes de percepção sobre os produtos, mas a relação com os clientes deverá ser digitalizada.

Além disso, a transparência em relação ao estoque da loja também se torna fundamental para as experiências dos consumidores.

Nesse sentido, estão inclusas questões como informar sobre o estoque do e-commerce precisamente e em tempo real, fazer filtros das lojas por disponibilidade de itens, mostrar aos clientes as condições e localização do estoque dentro da loja, entre outros fatores.

De acordo com Willig, todas as recentes mudanças nos padrões de consumo devem ser ainda mais acentuadas na Black Friday 2020. E as lojas que souberem aproveitar a situação para garantir ao consumidor as melhores experiências em quaisquer canais devem ganhar a preferência do cliente.

Felipe Matozo
Estudante de Jornalismo no Centro Universitário Internacional Uninter e ator profissional licenciado pelo SATED/PR. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.

Deixe seu comentário