Como vender para o governo – Dicas e requisitos para editais de licitação

Uma das opções mais interessantes para empreendimentos de diversos setores é vender para o governo, pois isto traz algumas vantagens para o negócio. Mas participar de uma licitação é um processo burocrático, que envolve muitas regras que não são encontradas no mercado “tradicional”.

Entretanto, as burocracias não mudam o fato de a venda para órgãos públicos ser algo vantajoso. Muito pelo contrário, pois as precauções tomadas representam garantias importantes para a empresa, o que não é comum em vendas particulares.

Então se você deseja expandir o leque de clientes do seu negócio e vender para o governo, confira algumas dicas importantes para ter vantagens nas licitações.

vender para o governo

Como é o processo para vender para o governo?

Todos os órgão públicos precisam abrir um processo de licitação para fazer compras, obras, alienações e demais serviços. Este processo tem o objetivo de garantir condições iguais para todos os concorrentes.

E esta garantia aos participantes é prevista pela Lei nº 8.666 de junho de 1993. A chamada Lei de licitação proíbe tratamento diferenciado entre empresas brasileiras e estrangeiras. A única exceção é referente à compra de bens e serviços na área de informática.

Isso garante a empreendimentos brasileiros condições de igualdade em competições contra qualquer outro concorrente. Além disso, a lei permite maior transparência em negociações entre empresas privadas e o poder público, dificultando qualquer tipo de preferência.

Para que haja mais transparência nas contratações públicas e, dessa forma, todos possam participar dela sem que haja nenhum tipo de preferência.

Sendo assim, para você que quer começar a vender para órgãos públicos, a lei permite que o seu negócio participe das disputas em pé de igualdade com as demais empresas. Basta saber agora como estar preparado para ter sucesso em processos de licitação.

Fique atento aos editais de licitação

A primeira dica é indispensável para quem quer vender para o governo, pois não tem como participar de um edital de licitação sem saber quando ele está aberto.

Mas saiba que não são poucos os editais, pois também não são poucos os órgãos público que os abrem. Por isso, é importante ficar de olho no Diário Oficial da União, e também nos estaduais e municipais. Além disso, os sites de compras governamentais merecem atenção especial, pois lá são publicados os editais de licitação.

Para te ajudar nessa operação, uma dica é se aproveitar da tecnologia. Alguns softwares auxiliam empresas em processos de licitação, dando a elas algumas vantagens. Um exemplo disso é a ferramenta da RCC, que dá acesso a informações valiosas sobre editais, o que aumenta as chances de ganho dos clientes.

Mas este é só um exemplo de ferramenta que ajuda com obstáculos e oferece maiores chances de sucesso, existem várias outras disponíveis. Por isso é importante pesquisar bastante para encontrar outras opções que ajudem neste processo, e que apresentem em tempo real os editais de licitação em andamento por todo o país.

O software da RCC, por exemplo, mostra quais são os órgãos públicos que compram os produtos oferecidos pela sua empresa, as regiões com mais pedidos, entre outras informações bastante úteis.

Como qualificar a empresa para vender para o governo

Estar com a regularidade fiscal em ordem é essencial para vencer editais de licitação, pois este é um dos principais requisitos para participar de um processo. Além de manter as contas da empresa em dia, é preciso fazer o mesmo com o cadastro no SICAF (Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores), ou outros sistemas cadastrais.

Além disso, é preciso apresentar comprovar a regularidade fiscal da sua empresa apresentando os seguintes documentos:

  • Inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ);
  • Regularidade com a Fazenda nas esferas nacional, estadual e municipal;
  • Certidão Relativa a Contribuições Previdenciárias que comprova regularidade relativa à seguridade social (INSS);
  • Regularidade relativa ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

E para conseguir estas certidões, é preciso comprovar que a empresa está em dia com impostos, taxas e encargos sociais. Mas vale destacar que a emissão destes documentos levam certo tempo, por conta da necessidade de análise dos documentos.

Além da regularidade fiscal, os outros requisitos para participar de um edital de licitação pública são: Habilitação Jurídica, Qualificação Técnica, e Qualificação Econômico-Financeira.

Para saber como funciona cada um destes procedimentos, recomendamos a leitura deste material do Sebrae que se aprofunda nesta e em outras questões sobre vender para o governo.

Inovação e parcerias ajudam a se destacar em editais

Para ter sucesso em um edital de licitação, sua empresa precisa provar que tem condições de oferecer o que o órgão público está procurando.

No caso de empresas de grande porte, a Lei Geral determina que é necessário subcontratar até 30% dos serviços de pequenas empresas para ajudar no projeto. Por isso é importante buscar parcerias, independentemente do porte da sua empresa, pois as chances de aprovação aumentam.

Outra dica é oferecer soluções inovadoras para se diferenciar, como produtos ou serviços exclusivos. Afinal, editais de licitação podem ter muitos concorrentes, e boa parte deles bastante parecidos.

Para pequenos e médios empreendimentos, por exemplo, isso pode dar a elas maiores condições em disputas com empresas maiores. Ofertas inovadoras agregam valor à sua marca, e aumentam as chances em categorias em que a técnica é um critério importante.

Felipe Matozo
Estudante de Jornalismo no Centro Universitário Internacional Uninter e ator profissional licenciado pelo SATED/PR. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.

Deixe seu comentário