Raia Drogasil anuncia marketplace de saúde e compra de startup

/íder do setor de farmácias no Brasil, a rede Raia Drogasil anunciou nesta semana novidades para aumentar sua atuação no mercado. Dentre elas, a principal é o lançamento de um marketplace que deve iniciar em outubro.

A plataforma digital da rede incluirá produtos voltados ao bem-estar em variados segmentos, e parceiros já estão sendo cadastrados. Com isso, a estimativa é que o lançamento oficial ocorra em duas ou três semanas.

Outra iniciativa de diversificação de ofertas de serviços da rede no setor de saúde foi anunciada na última quarta-feira (30/09/2020). A Raia Drogasil adquiriu a startup Manipulaê, plataforma online que trabalha com farmácias de manipulação, área na qual a rede ainda não estava presente.

Raia Drogasil

Além destes investimentos voltados ao ambiente digital, a companhia também revelou suas projeções sobre aberturas de lojas para os próximos dois anos. Entre 2021 e 2022, a rede de farmácias prevê a abertura de mais 480 lojas. A estimativa é feita de acordo com o ritmo de inaugurações que a Raia Drogasil tem mantido até o momento.

Atualmente, a companhia tem 2,2 mil pontos de venda em 23 estados brasileiros, e o projeto é fazer com que a marca se transforme em um “hub de saúde”. E à medida em que o marketplace da empresa crescer, a proposta é aproveitar as lojas físicas para usá-las como pontos de coleta e distribuição de mercadorias.

Segundo o presidente da Raia Drogasil, Marcilio Pousada, a rede tem participação de 14% no setor de farmácias no Brasil. Para o executivo, isso significa que há espaço para crescimento, e a expectativa é que esta expansão aconteça principalmente pela atuação no ambiente digital.

De acordo com Pousada, 10% dos 40 milhões de clientes da rede já compras pela internet, e os canais online da empresa recebem aproximadamente 25 milhões de visitas mensais.

Marketplaces de farmácias disparam durante a pandemia

Antes da pandemia, os serviços de farmácia online tinham dificuldades de convencer os clientes a comprarem pela internet. Mas durante estes últimos meses o setor registrou altas consideráveis.

Segundo relatório do banco BTG Pactual com base em dados da Mastercard, as vendas online de produtos farmacêuticos equivaleram a aproximadamente 8% do total de vendas do setor no início da pandemia, em abril. Por conta da alta do e-commerce registrada neste ano, a projeção é que em 2020 essa participação feche em mais de 10%. Antes da pandemia, a média girava em torno de 6%.

Um dos principais exemplos do crescimento no marketplace de saúde é o caso do Farmácias App. Dos mais de mais de 100 mil downloads do aplicativo, cerca 42 mil foram feitos entre janeiro e julho deste ano. Além disso, o serviço registrou alta de 938% em transações entre os meses de março e maio, quando comparado ao período pré-Covid em 2020.

Já no site da empresa, utilizado por usuários que não têm o aplicativo instalado, os aumentos nos números de clientes, faturamento e transações foram superiores a 300%. Com isso, o número de usuários do Farmácias App cresceu 825%, e a receita da empresa 662%.

Assim como no caso dos supermercados, as vendas online no setor de farmácias cresceram mesmo com os estabelecimentos abertos no período de pandemia.

Neste cenário, Raia Drogasil quer ampliar atuação online

Além do investimento em uma plataforma de marketplace, a Raia Drogasil também está desenvolvendo um aplicativo com dicas de saúde e um serviço de telemedicina. A proposta da rede é que a farmácia seja o local onde os clientes vão para buscar opções de bem-estar.

Segundo o presidente da rede, o marketplace será lançado neste mês, mas deve ganhar força a partir de 2021, e os serviços de teleatendimento só serão lançados no ano que vem.

Enquanto isso, a compra da Manipulaê é a primeira de diversas aquisições de pequenas e médias empresas que a Raia Drogasil tem a intenção de fazer nos próximos anos.

Pousada acredita que a pandemia do novo coronavírus teê sido uma espécie de teste para a prestação de serviços do setor farmácias. O executivo ainda afirma que as lojas da rede realizaram aproximadamente 400 mil testes rápidos de Covid-19 durante os últimos seis meses.

Felipe Matozo
Estudante de Jornalismo no Centro Universitário Internacional Uninter e ator profissional licenciado pelo SATED/PR. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.

Deixe seu comentário