O que acontece se não pagar a fatura do cartão de crédito?

Quer saber o que acontece se você não pagar a fatura do cartão de crédito na data certa? Pois descubra a resposta nesta matéria do Revendedor!

O que acontece se não pagar a fatura do cartão de crédito? (Imagem: Kaysha/Unsplash)

Todo mundo que tem cartão já se perguntou ao menos uma vez: o que acontece se eu não pagar a fatura do cartão de crédito? A resposta mais curta e direta é: muita coisa, e nenhuma delas boa.

Nesta matéria do Revendedor.com.br, você vai descobrir o que acontece se você não pagar a fatura do cartão de crédito, quais são as melhores opções que você tem ao não conseguir quitar a dívida na data correta e o que acontece após a dívida prescrever depois de 5 anos. Confira!

O que acontece se eu não pagar a fatura do cartão de crédito?

Caso você deixe de pagar a fatura do cartão de crédito, você estará deixando de cumprir uma obrigação com a qual se comprometeu e terá de enfrentar as consequências disso.

Publicidade

As primeiras consequências são cobranças de multas e taxas de juros. Para cada dia de atraso do pagamento da fatura, um valor será adicionado à dívida, baseado na taxa de juros estipulada por cada instituição financeira. E acredite: essas taxas de juros são bastante altas, justamente para evitar que as pessoas atrasem com o pagamento.



No Nubank, por exemplo, a taxa de juros varia de 2% a 14% e incide em cada dia de atraso. Além disso, a empresa também cobra uma multa de 2% sobre o valor total do pagamento que você está devendo. Ou seja, quanto mais tempo você enrolar para pagar a fatura do cartão de crédito, mais cara ficará a conta.

Além disso, você terá outras punições pelo atraso no pagamento da fatura: a instituição financeira bloqueará seu limite de crédito e seu cartão e o seu nome ficará manchado no SPC e no Serasa, o que futuramente te impossibilitará de contratar novos cartões, de solicitar empréstimos, de parcelar suas contas.

Além disso, você também poderá ter problemas para conseguir financiamentos e até mesmo para conseguir alguns empregos, como o de revendedor, já que as marcas geralmente fazem uma análise de crédito.

Publicidade


Publicidade


Portanto, evite ao máximo deixar de pagar a fatura do cartão de crédito. Caso deixe de pagar, quite a dívida o quanto antes a fim de evitar que o seu nome fique negativado. Caso fique com o nome sujo, faça de tudo para limpá-lo o quanto antes.

Confira também:
Melhores opções de cartão de crédito com limite para negativado!

Publicidade

Não vou conseguiu pagar a fatura do cartão de crédito: o que fazer?

Porém, há casos em que a pessoa não tem outra opção que não a de deixar de pagar a fatura do cartão de crédito. O que fazer nesse caso? Há algumas opções, igualmente perigosas, mas geralmente menos danosas.

Publicidade

Valor mínimo da fatura

A primeira delas é optar pelo pagamento apenas do valor mínimo da fatura. Pagando o valor mínimo, você joga o restante da fatura para os próximos meses, podendo dar uma aliviada nas contas. Porém, você terá outro problema: precisará começar a pagar os chamados juros rotativos, um valor a mais que a instituição financeira vai cobrar por conta do atraso do pagamento.

Os juros rotativos são altíssimos! No Banco do Brasil, por exemplo, eles estão atualmente em 10,90% ao mês e 246,08% ao ano! Isso significa que se a sua fatura no BB fechou em R$ 3.000 e você optou pelo pagamento mínimo da fatura de, por exemplo, R$ 500, depois de um ano a sua dívida estará em incríveis R$ 8.652,00.

Portanto, evite ao máximo do máximo optar pelo pagamento apenas do valor mínimo da fatura. Há outras opções melhores, como veremos a seguir.

Veja também:
Taxas do Cartão de Crédito – Entenda a sua fatura

Parcelamento da fatura

Outra opção que a pessoa tem é a de parcelar a fatura do cartão de crédito. Porém, nem toda instituição financeira disponibiliza essa opção aos seus clientes.

Assim como no caso do pagamento do valor mínimo da fatura, a instituição financeira aplica um determinado juros sobre o valor parcelado da fatura. Porém, ele é geralmente menor que o juros rotativo, compensando mais que o pagamento do valor mínimo.

No já mencionado Banco do Brasil, por exemplo, clientes que possuem o Cartão de Crédito Gold/Mais pagam uma taxa de juros de 9,10% ao mês e 184,38% ao ano. Como você pode ver, ela é menor do que a taxa de juros rotativo do BB (10,90% e 246,08%), mas não tão menor assim a ponto de compensar mais parcelar do que pagar a conta em dia.

Aprofunde-se no tema:
Vale a pena parcelar o cartão de crédito?

Publicidade

Empréstimo bancário

Em alguns casos, pode até mesmo ser melhor fazer um empréstimo bancário para pagar a fatura do cartão de crédito em dia do que deixá-la vencer ou optar pelo pagamento mínimo ou pelo parcelamento da fatura.

Para isso, entretanto, é preciso que o indivíduo avalie as taxas de juro de ambas as opções: tanto do juros rotativo e dos juros de parcelamento quanto dos juros do empréstimo bancário. Se os juros do empréstimo forem menores, pode ser uma boa ideia fazer um para evitar a inadimplência.

Publicidade

Porém, é preciso tomar muito cuidado e avaliar bem a sua situação. Afinal, as contas da casa não deixarão de existir e poderá ser difícil conciliar o pagamento da dívida com o pagamento das despesas.

Negociar a dívida da fatura

Outra opção que você tem é a de negociar a dívida da fatura com a empresa responsável pelo cartão de crédito. Para entender melhor como funciona e como fazer isso, recomendamos que leia este nosso outro artigo sobre essa questão.

O ideal, em todas as situações, é evitar deixar a fatura chegar a um ponto em que você não consegue pagá-la. Reveja seus hábitos de consumo, corte despesas desnecessárias e evite complicar sua vida financeira.

E se a dívida da fatura do cartão de crédito prescrever?

Depois que a sua dívida fica 5 anos no Serasa, por exemplo, ela prescreve — ou, no linguajar popular, “caduca“. Isso significa que ela deixa de aparecer nos resultados de busca pelo seu nome no órgão, e o seu Score volta a ficar regularizado.

Porém, não se engane: isso não faz com que a dívida deixe de existir, muito pelo contrário. Ela continuará existindo, com os juros comendo solto. Você ainda deverá regularizar as coisas com a instituição financeira responsável pelo cartão de crédito. Do contrário, a sua relação com ela permanecerá manchada.

Se a sua dúvida caducou, não ache que agora é festa e que você já pode contratar novos cartões e sair por aí parcelando e gastando. Antes disso, trabalhe para quitar a dívida que contraiu e só depois pense em voltar a gastar.

Gostou dessa matéria? Pois aproveite e leia também:
Como economizar ganhando pouco – Dicas que funcionam!

Publicidade

Deixe seu comentário