Nubank lança cartão de débito para Pessoas Jurídicas

O Nubank anunciou nesta quinta-feira (15) uma novidade voltada ao setor de pequenas e médias empresas brasileiras (PME): o lançamento de um cartão de débito para Pessoas Jurídicas.

Para oferecer a nova função de débito aos clientes da conta PJ, a fintech desenvolveu o seu primeiro cartão oferecido especialmente para este público.

Com ele, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e proprietários de pequenos negócios terão a opção de comprar no débito e fazer saques em nome de suas empresas.

Cartão Nubank

A diferença do design do cartão para pessoa jurídica em relação àqueles para pessoas físicas é sutil. No novo cartão, a já tradicional cor roxa é mais escura do que o normal, e nome do cliente aparece customizado na parte frontal.

Mas assim como os demais cartões do Nubank, o modelo para clientes PJ também conta com a opção contactless, função que permite pagamentos por aproximação. Segundo dados da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), a modalidade de pagamento por aproximação cresceu na pandemia.

Os clientes interessados em adquirir o novo cartão da fintech devem solicitá-lo por meio do aplicativo. Para isso, basta acessar a área de configurações e selecionar a opção “Pedir função débito”. Em seguida, é só seguir o passo a passo para finalizar o procedimento, o que inclui a customização do nome da empresa no cartão.

A conta para pessoa jurídica foi criada pelo Nubank em julho de 2019, e desde então tem oferecido funcionalidades semelhantes às da conta para pessoa física.

Por conta destas similaridades, o presidente e fundador da fintech, David Vélez, afirma que a função débito para pessoas jurídicas sempre foi uma das mais requisitadas pelos clientes.

Nubank lidera corrida por cadastro de chaves no PIX

A fintech brasileira é a instituição financeira que mais registrou chaves do PIX desde o início do cadastramento no dia 5 de outubro.

Das 33,8 milhões de chaves cadastradas até o momento, aproximadamente 8,1 milhões são de clientes Nubank. O valor representa quase um em cada quatro registros, e 70% a mais do que a segunda instituição com mais cadastros realizados.

A fase inicial do Pix, que será lançado no dia 16 de novembro, vem tendo boa adesão por parte do público. Somente na primeira semana, foram cadastradas quase 25 milhões de chaves de acesso.

Vale lembrar que as chaves funcionam como uma espécie de endereço das contas do Pix, permitindo identificar os usuários dentro do sistema. Com elas, o Banco Central espera acelerar os processos de pagamentos e transferências, pois será exigido um número menor de informações do cliente em comparação às operações TED e DOC.

Segundo o ranking divulgado pelo Banco Central (BC), mais da metade das chaves cadastradas até o momento está concentrada em três fintechs. Depois do Nubank, Mercado Pago (4,7 milhões) e PagSeguro (4,3 milhões) aparecem, respectivamente, na segunda e terceira colocação da lista.

Juntas, as três instituições registraram cerca de 17,1 milhões de chaves do PIX entre os dias 5 e 14 de outubro.

Lista das instituições que mais cadastraram chaves

Os cinco principais bancos em atividade no mercado brasileiro aparecem logo após as três fintechs no ranking divulgado pelo BC. Bradesco, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Itaú e Santander fecham as oito primeiras posições da lista.

Veja a seguir quais são as 20 instituições com maior número de chaves do PIX cadastradas até o momento:

  1. Nubank – 8,1 milhões;
  2. Mercado Pago – 4,7 milhões;
  3. PagSeguro – 4,3 milhões;
  4. Bradesco – 3,7 milhões;
  5. CEF -2,5 milhões;
  6. Banco do Brasil – 2,1 milhões;
  7. Itaú – 1,8 milhões;
  8. Santander – 1,6 milhões;
  9. PicPay – 1,1 milhões;
  10. Inter – 889 mil;
  11. Original – 524 mil;
  12. C6 – 336 mil;
  13. Banrisul – 200 mil;
  14. Itaucard – 131 mil;
  15. BMG – 110 mil;
  16. Pan – 93 mil;
  17. SumUp – 86 mil;
  18. Digio – 50 mil;
  19. Agibank – 46 mil;
  20. Safra – 46 mil.

Este primeiro mês do PIX é exclusivo para a realização de cadastramentos de chaves de acesso. Entretanto, o processo poderá ser feito a qualquer momento, inclusive após o lançamento do sistema em novembro.

Segundo o Banco Central, as chaves de acesso não serão obrigatórias para o uso do PIX, mas o cadastro desta ferramenta é recomendado para facilitar as operações.

Felipe Matozo
Estudante de Jornalismo no Centro Universitário Internacional Uninter e ator profissional licenciado pelo SATED/PR. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.

Deixe seu comentário