Mercado Livre amplia oferta de crédito a pequenos negócios

O Mercado Livre captou R$ 400 milhões em recursos com o banco norte-americano Goldman Sachs. Segundo o anúncio realizado nesta quinta-feira (24), o aporte serve para aumentar a oferta de crédito do grupo para micro e pequenos empresários que não têm acesso ao sistema financeiro tradicional.

A operação foi realizada por meio do Mercado Pago e é um dos maiores investimentos já realizados pelo grupo financeiro em uma fintech brasileira. A escolha de usar o Mercado Pago para a iniciativa se dá pelo potencial da fintech de conceder capital de giro aos empreendedores.

O investimento da Goldman Sachs acontecerá por meio de um FIDC (fundo de investimento em direitos creditórios), e deve auxiliar o Mercado Livre com seu objetivo manifesto de democratizar o acesso a empréstimos a micro e pequenos empreendimentos sem acesso ao sistema financeiro – o que é boa parte do grupo de vendedores da plataforma.

Crédito Mercado Livre

Além do Brasil, a oferta de crédito do Mercado Pago também está disponível na Argentina e no México. Juntas, as operações dos três países representaram mais de US$ 1 bilhão em créditos de capital de giro. Ao todo, foram alcançados aproximadamente 600 mil vendedores.

Segundo o vice-presidente sênior do Mercado Crédito, Martín de los Santos, os empréstimos podem ser realizados pelos empreendedores com um clique e sem burocracia. Para o executivo, as operações totalmente digitais justificam o fato de 80% dos vendedores voltarem a tomar crédito com a empresa.

Entre os vendedores brasileiros já foram concedidos mais de R$ 2,4 bilhões em crédito desde o início da operação do Mercado Pago. No total, em torno de 500 mil empreendimentos presentes no Mercado Livre ou que utilizam serviços do Mercado Pago fecharam contratos para crédito.

VEJA TAMBÉM
Débitos do MEI: 5 alternativas para quitar dívidas para microempreendedor individual

Acesso aos sistemas tradicionais está limitado

De acordo com os representantes do Mercado Livre, o público-alvo da linha de créditos do grupo são pequenos negócios desamparados pelos sistemas financeiros tradicionais.

No início de setembro, a Caixa anunciou R$ 50 milhões em crédito para pequenos empreendedores por meio do Programa Nacional de Apoio às Microempresas (Pronampe). Além da Caixa, outros bancos participaram desta que foi a segunda fase do programa, e o valor total de recursos disponibilizados foi de R$ 12 bilhões.

Entretanto, um levantamento do Sebrae mostrou que menos de 4% das pequenas empresas tiveram acesso ao Pronampe. Apesar de este ser considerado o programa emergencial de crédito para pequenos negócios mais eficiente até o momento, a estimativa é de que apenas 3,75% do seu público alvo foi atingido.

De acordo com dados do Sebrae, as micro e pequenas empresas representam 99% das empresas brasileiras e 30% do PIB. O setor ainda é responsável por mais da metade dos empregos com carteira assinada no setor privado do país. Além disso, segundo levantamento recente do Ministério da Economia, 80% dos 1.114 milhão de CNPJs criados no segundo semestre são de MEIs.

Mas apesar da importância destes empreendimentos para a economia, analistas afirmam que o acesso a crédito continua sendo um grande problema para o setor.

PEAC Maquininhas também é opção de crédito

Saque via maquininha

Outra iniciativa de acesso ao crédito voltada a MEIs, micro e pequenas empresas do país foi publicada nesta quinta-feira (24) no Diário Oficial da União. A chamada PEAC Maquininhas foi criada para atender profissionais do setor com empréstimos de até R$ 50 mil.

A proposta do programa é realizar empréstimos por meio das maquininhas de cartão utilizadas por comerciantes. O uso destas máquinas visa aproveitar o seu potencial de alcance para facilitar e democratizar o acesso ao crédito.

Conforme a proposta da PEAC, vendas futuras realizadas em transações via maquininha serão aceitas como garantia para a liberação do crédito. A vantagem deste tipo de negociação é que ela facilita a concessão do empréstimo, já que não exige garantias de bens como imóveis, automóveis ou outros que acabam impedindo a realização de muitos empréstimos.

O valor empréstimo será calculado conforme o valor médio das negociações do empreendimento no ano anterior.  A taxa de juros dos créditos via PEAC Maquininhas deve ser de 3,25% ao ano.

Felipe Matozo
Estudante de Jornalismo no Centro Universitário Internacional Uninter e ator profissional licenciado pelo SATED/PR. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.

Deixe seu comentário