Franquia de brechó infantil cria marketplace de compra e venda de usados

Nos últimos anos, um segmento varejista que começou a ganhar espaço no mercado brasileiro foi o brechó infantil. Como crianças crescem rápido e perdem em pouco tempo roupas que costumam ser caras, a proposta deste comércio de usados é vantajosa tanto para quem vende, quanto para quem compra.

Neste contexto surgiu a Arena Baby, franquia de brechós infantis que inaugurou sua primeira unidade em 2015, em Santo André (SP), e hoje possui 19 lojas físicas.

Mas com a chegada da pandemia de Covid-19, todas as unidades foram fechadas por quase dois meses. Por conta disso, a rede que funcionava totalmente offline precisou se adaptar, e desenvolveu uma plataforma de marketplace para que todas as lojas próprias e franqueadas pudessem vender para o país inteiro.

brechó infantil

A proposta da Arena Baby é baseada no formato de moda circular, que consiste no recebimento, venda e troca de peças. Mas por operar somente em lojas físicas antes da pandemia, a rede passou a ter sérios prejuízos no início do período.

Quando as redes sociais da marca começaram a receber propostas de vendas de itens e pedidos de compras, ficou claro que o negócio de brechó infantil precisaria se digitalizar. Dessa forma, a Arena Baby conseguiu desenvolver seu marketplace em tempo recorde, com um investimento de aproximadamente R$ 200 mil.

Com o mercado de produtos usados em alta, as lojas da rede já conseguem alcançar o mesmo nível de faturamento do período pré-pandemia.

Segundo pesquisa da GlobalData, o comércio de produtos de “segunda mão” é forte tendência para os próximos anos. A expectativa é que o setor movimente US$ 64 bilhões nos próximos cinco anos, podendo superar as vendas tradicionais até 2024.

Como funciona o marketplace da Arena Baby

Como a marca trabalha com compra e venda de peças, a plataforma permite que os clientes possam comprar roupas infantis e também enviar peças. O envio pode acontecer pelos Correios, ou então os representantes da rede buscam na casa da pessoa caso ela more próxima à loja.

Os clientes que vendem peças para rede recebem créditos para trocar por outra mercadoria. Por enquanto, o crédito só pode ser usado na unidade onde foi feita a transação.

Por meio do marketplace, a rede deve criar uma carteira digital que possa ser usada em qualquer unidade, e já vem sendo chamada de Ecodin.

Até o momento, o recurso de troca de peças é o único que ainda não está disponível na plataforma de brechó infantil online da empresa. Mas segundo os organizadores, a função já está sendo estudada para ser posta em prática, e deve estar disponível após uma atualização no marketplace.

As três lojas próprias da rede serão inseridas no Arena Baby Online ainda em outubro, já os franqueados devem integrar o sistema gradualmente a partir de novembro. A logística referente às transações realizadas na plataforma deverá ser operada pelas próprias unidades.

Todos os novos franqueados da rede deverão chegar inseridos no processo de marketplace da Arena Baby, que chegou para ficar. A expectativa da marca é que o aumento nas vendas da loja por conta da plataforma seja de 20%.

Vale a pena abrir um Brechó Infantil?

Outro estudo que revela um cenário otimista para o setor de produtos usados foi realizado pelo thredUp, um dos maiores e-commerces do ramo. Segundo o levantamento, a estimativa é que entre 2019 e 2021 as vendas online de roupas usadas cresçam 69%. Enquanto isso, para o varejo a projeção é de retração de 15%.

Os representantes da Arena Baby também estão confiantes em relação ao segmento. Para eles, a expectativa de crescimento do setor nos próximos anos é reforçada pelo movimento que já vem ganhando força durante a pandemia.

No caso da franquia de brechós infantis, ao menos 70% das unidades já têm o mesmo faturamento do período anterior à quarentena. Enquanto isso, franquias do setor de moda tiveram perdas de até 47% em julho, segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF).

No caso da Arena Baby, interessados em adquirir uma franquia da rede podem iniciar o processo no próprio site da empresa. O investimento inicial é a partir de R$ 197 mil, com a taxa de franquia já inclusa.

Por outro lado, para quem tem interesse em abrir a própria loja de brechó infantil, o investimento inicial pode ser bem mais baixo. Dependendo do planejamento e pesquisa de mercado, é possível um negócio com investimentos de em média R$ 6 mil para a compra de materiais.

Segundo algumas estimativas, o capital de giro é de cerca de R$ 2 mil, e o faturamento mensal médio de R$ 3 mil, com prazo para retorno do investimento em 24 meses.

Aos interessados em abrir o próprio negócio no setor, este artigo traz boas dicas para iniciar seu próprio brechó infantil.

Felipe Matozo
Estudante de Jornalismo no Centro Universitário Internacional Uninter e ator profissional licenciado pelo SATED/PR. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.

Deixe seu comentário