Como abrir um mini mercado? Requisitos e como começar

Os famosos mercados de bairro fazem parte da cultura brasileira, e são muito procurados por conta de sua praticidade no dia a dia das pessoas. Sendo assim, abrir um mini mercado pode ser uma ótima opção de negócio para quem quer empreender.

Além disso, a pandemia do novo coronavírus foi responsável por algumas mudanças no comportamento dos consumidores brasileiros. Um dos fenômenos observados no período foi o aumento da procura por negócios locais. Segundo uma pesquisa do Facebook e da Deloitte, 73% das pessoas passaram a comprar mais de empresas de bairro em 2020.

Ou seja, se os mercados de bairro sempre tiveram boa procura e um público fiel, a tendência é que após a pandemia muitos destes estabelecimentos ganhem ainda mais clientes. Portanto, se você tem interesse em abrir um mini mercado, veja a seguir como fazer para montar o seu negócio.

abrir mini mercado

Vale a pena abrir um mini mercado?

Segundo o Sebrae, os mini mercados são responsáveis por aproximadamente 35% das vendas do setor de varejo de autosserviço. Sendo assim, são empreendimentos com bastante procura por parte do público.

Ainda de acordo com o Sebrae, os mini mercados são caracterizados por terem até 4 caixas registradoras, e o Brasil tem cerca de 350 mil empresas desta categoria. Isso mostra o quanto estes estabelecimentos são importantes para a economia brasileira.

Entretanto, estes números não podem ser suficientes para você decidir abrir um mini mercado. Pois como eles são caracterizados negócios de bairros residenciais, é preciso ter muito cuidado com a localização.

Se a ideia é abrir um negócio no próprio bairro, você deve saber bem se há demanda por um novo mercado na sua região. Mas se você pretende montar a sua loja em outro lugar, então pesquise bem para saber qual o melhor bairro para abrir um mini mercado.

Entre os fatores decisivos para escolher a localização, podemos destacar:

  • Se o público-alvo do mercado condiz com a população do bairro;
  • Se a concorrência nas redondezas, e qual o potencial destes estabelecimentos;
  • Como estão as condições do imóvel desejado, incluindo o tamanho da área de carga e descarga de mercadorias e do estacionamento;
  • Se a região é segura, têm boa densidade populacional, e o acesso ao mercado é fácil, ou seja, ele não fica escondido.

Portanto, para saber se vale ou não a pena abrir um mini mercado, tudo vai depender destas condições. Como já dissemos, é um negócio com bom potencial de público, mas para isso é preciso encontrar um bom lugar para montá-lo.

Requisitos para abrir um mini mercado

Antes de falarmos sobre os equipamentos e demais investimentos necessários para abrir um mini mercado, vamos tratar das questões burocráticas.

Para isto, a primeira coisa a se fazer é procurar um contador para definir junto com ele o melhor regime contábil para a sua empresa. Além disso, este profissional fica responsável por obter registros, alvarás e tratar de demais questões legais sobre o empreendimento, enquanto você se ocupa com outras situações referentes ao negócio.

Para abrir o seu estabelecimento, é necessário:

  • Registrar o CNPJ junto à Secretaria da Receita Federal;
  • Registra a empresa na Junta Comercial do Estado, na Secretaria Estadual da Fazenda e na Receita Estadual;
  • Obter o alvará de localização e de licença sanitária, registrando a empresa junto à Prefeitura;
  • Conseguir autorização do Corpo de Bombeiros, e Indicação de Responsabilidade Técnica com a ANVISA;
  • Obter o Cadastro Municipal de Vigilância Sanitária (CMVC);
  • Confirmar o enquadramento no CNAE, que neste caso é o “4711-3/02 – Comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios – Supermercados”;
  • Enquadra a empresa na Entidade Sindical Patronal em que ela se encaixa;
  • Cadastrar na Caixa Econômica Federal, no sistema Conectividade Social.

Por conta de todos este processo burocrático, o ideal é contratar um contador profissional para abrir o seu mini mercado. Ele poderá te ajudar com todas essas questões, e também com qualquer outra burocracia que seja necessária para formalizar o seu negócio.

Investimentos necessários

O valor total de investimento para montar um mini mercado varia muito de acordo com a localização, o tamanho, os equipamentos escolhidos e outras questões.

De modo geral, você vai precisar investir em:

  • Um imóvel adequado para a estrutura do mercado;
  • Equipamentos, móveis e demais instalações e reformas necessárias;
  • Contratação de pessoal, sendo que a equipe de um mini mercado pode ser pequena;
  • Capital de giro para as despesas e gastos iniciais;
  • Estoque inicial de mercadorias; entre outros.

Em relação às mercadorias, uma dica importante é buscar parcerias com bons fornecedores desde o início do trabalho. Isso pode te ajudar a oferecer os melhores preços e produtos de qualidade.

Além disso, lembre-se que só o fator praticidade não é suficiente para garantir ao seu mercado a fidelidade do público. É preciso oferecer um serviço de qualidade, um ambiente agradável e cômodo para os clientes, acompanhar as tendências do mercado e as necessidades dos consumidores, entre outras questões.

Para dicas mais completas sobre como abrir um mini mercado, recomendamos este material do portal “Ideias de Negócios” do Sebrae. Nele, o Sebrae dividiu em alguns capítulos para explicar em detalhes tudo que é preciso para montar um “Mercado de Vizinhança”. Se você tem interesse em investir neste setor, é um leitura fundamental.

Felipe Matozo
Estudante de Jornalismo no Centro Universitário Internacional Uninter e ator profissional licenciado pelo SATED/PR. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.

Deixe seu comentário