Amazon anuncia três novos centros logísticos no Brasil

Nesta segunda-feira (9), a Amazon anunciou a abertura de três novos centros logísticos no Brasil. Esta é a maior expansão logística da companhia norte-americana no país desde que ela chegou por aqui em 2012.

Com a iniciativa, a Amazon reforça sua atuação no mercado brasileiro, onde as vendas por e-commerce dispararam durante a pandemia de Covid-19. Além disso, o movimento da empresa deve criar cerca de 1.500 empregos diretos no país.

Os novos centros logísticos são na cidade de Betim (MG), Santa Maria (DF) e Nova Santa Rita (RS). Com isso, o Brasil passa a contar com oito unidades logísticas da Amazon em seu território, o que facilita a entrega de produtos a todos os municípios brasileiros.

centros logísticos amazon

O principal executivo da companhia no Brasil, Alex Szapiro, destaca que as novas unidades permitirão que Amazon aumente, de imediato, de 400 para mais de 500 o número de cidades onde os clientes da Prime poderão receber produtos em até dois dias úteis.

Segundo Szapiro, o Brasil é o país onde a quantidade de assinantes do programa Amazon Prime cresce mais rapidamente. O serviço de assinatura chegou ao país em setembro de 2019 e desde então tem recebido cada vez mais clientes. O sucesso no mercado brasileiro foi o principal motivo para a inserção do Amazon Prime Day no país.

Novos centros logísticos da Amazon devem ajudar comerciantes na Black Friday

O anúncio dos três novos centros logísticos da Amazon ocorre nas semanas que antecedem a Black Friday 2020, evento com boa expectativa de vendas online. Neste ano, a sexta-feira de ofertas ocorre no dia 27 de novembro, e a tendência é que antecipe muitas compras para o Natal.

Com a expectativa no aumento das vendas, a iniciativa da Amazon deve ajudar muitos vendedores da plataforma a atenderem a demanda. Dessa forma, a urgente adaptação de novos empreendedores do comércio eletrônico tende a ser facilitada.

Em 2020, muitos comerciantes precisaram adaptar seus negócios para o ambiente digital por conta das medidas de combate à Covid-19. Com isso, vendedores e consumidores passaram a ficar mais inseridos no ambiente digital, o que foi observado em diversos segmentos.

A Amazon é uma das plataformas de marketplace do país que são voltadas a pequenos comerciantes que querem vender online. Com essa relação de parceria, a empresa norte-americana é umas das que cresceram nos últimos meses no setor de comércio eletrônico brasileiro.

O Mercado Livre, companhia líder do segmento na América Latina, anunciou na semana passada que sua receita no Brasil subiu 112,2%. Recentemente, a rede também revelou planos de investimento recorde no mercado brasileiro em 2021, inclusive em logística e infraestrutura.

Além disso, outras concorrentes da Amazon no Brasil, como Via Varejo e Magazine Luiza, têm anunciado aquisições de startups de logística e apoio à digitalização de pequenos negócios nos últimos meses.

Importância do marketplace da Amazon para pequenos negócios

O marketplace da Amazon é uma opção válida tanto para pessoas físicas quanto para pessoas jurídicas. No caso dos pequenos negócios, representa uma ótima vitrine para os seus produtos, já que se trata de uma das principais plataformas de e-commerce do mundo. Assim, os anúncios no site da Amazon ficam disponíveis para milhares de consumidores diariamente.

Já mostramos aqui como vender na Amazon, apresentando um passo a passo para se cadastrar e aumentar as vendas. O processo de cadastro de vendedores na plataforma é simples, pois não exige contratos sociais ou outros documentos desta natureza. Basta fornecer suas informações pessoais e bancárias para receber os valores das vendas realizadas.

A empresa oferece planos diferentes para os comerciantes da plataforma: o individual e o profissional. O primeiro custa tem um taxa de R$ 2 por item vendido, e é destinado a quem pretende fazer menos de 10 vendas por mês.

Já o segundo é voltado aos pequenos negócios que pretendem usar o marketplace da Amazon profissionalmente. Ele tem um valor fixo mensal de R$ 19,90, e não há limites de vendas para os comerciantes.

Entretanto, o site também cobra um valor de comissão por cada produto vendido. Trata-se de uma porcentagem da venda realizada que inclui valores como o da própria mercadoria e algumas despesas extras.

Mas apesar das taxas, a plataforma de e-commerce da Amazon é uma boa opção para pequenos negócios que querem vender mais pela internet. O marketplace permite que os vendedores escolham modelos de frete mais adequados aos seus negócios, e gerenciem suas vendas facilmente pelo site.

Além disso, a plataforma tem uma vantagem em relação ao seu principal concorrente no Brasil, o Mercado Livre. Na Amazon não é necessário pagar taxas extras para receber os valores em sua conta bancária, como é o caso do rival.

Felipe Matozo
Estudante de Jornalismo no Centro Universitário Internacional Uninter e ator profissional licenciado pelo SATED/PR. Ligado em questões políticas e sociais, busca na arte e na comunicação maneiras de lidar com o incômodo mundo fora da caverna.

Deixe seu comentário